Cresce a tendência das “guide shops”

Postado em - 22 de dezembro de 2018 - 0:30 - Sem Comentários

 

 

Observamos de uns anos para cá uma espécie de inversão de movimento no sentido do tradicional negócio do varejo. Marcas nascidas no ambiente do e-commerce estão investindo em lojas físicas e de certa forma copiando o que há muito as grandes redes do varejo já vêm praticando, a transformação de lojas tradicionais em grandes “catálogos presenciais”.

As guide shops funcionam como pontos de exposição de produtos onde os consumidores podem experimentar ou provar produtos, encomendá-los através dos diversos canais disponibilizados pela empresa (Omnichannel), fazendo com que o cliente não sinta diferença entre realizar uma compra online ou ofline, e tenha a certeza de que receberá em sua casa exatamente os produtos que comprou.

A marca Amaro de origem paulista se especializou exatamente no público feminino para lançar a sua primeira loja física nesse conceito de “guide shop”. Localizada no Shopping Pátio Higienópolis, a loja proporciona um ambiente agradável para que a consumidora possa comprar as roupas que mais lhe agradaram e experimentá-las para saber se o tamanho escolhido é realmente o correto. Depois encerrar suas compras, a consumidora através do site da marca, realiza o pagamento e recebe as suas compras em 24 horas na Grande São Paulo.

A importância de experimentar uma roupa ou um sapato, por exemplo, pode ser constatada por consumidores nas grandes lojas físicas de redes tradicionais desse mercado de moda – masculina ou feminina – que ao provar meia dúzia de roupas saia satisfeito com metade das peças que selecionou. Existem também diferenças de tamanho nas peças de marcas próprias produzidas e distribuídas nas redes de varejo desse mercado de moda.

Portanto, se o cliente escolhe as peças que quer experimentar sem ter que buscar roupas que lhe agradem, se existem números que possam lhe servir expostas em um catálogo eletrônico e ainda sair da loja sem ter que carregar sacolas são algumas das vantagens que podem ser creditadas à essa nova modalidade de compra.

A interação entre ambiente web e offline é um conceito novo no mercado, que certamente veremos cada vez mais fazendo parte de nosso dia a dia. A pioneira Amaro, oferece a cada mês uma nova coleção desenvolvida pelos seus designers que acompanham as tendências observadas nos grandes desfiles de moda pelo mundo. A marca está expandindo seu conceito de “guide shop”, inaugurando a sua 15° loja física, inaugurada no BH Shopping, em Belo Horizonte (MG..

A interconexão entre os ambientes online e offline é uma tendência irreversível, o setor de varejo terá que se adaptar e oferecer cada vez mais formas de interação e facilidades para a comodidade dos seus consumidores. O que importa mesmo é propiciar ao cliente satisfazer as suas expectativas de compra, sem restrições de local, horário ou meio desejado.

A loja virtual também procura utilizar estratégias de marketing que visem reunir as experiências do cliente nos diversos meios de acesso a consultas e compras realizadas via web ou smarthphone, buscando identificar suas preferências por produtos que possam despertar o interesse do cliente na loja física. Nas lojas Amaro, por exemplo, a cliente pode usar seu celular para escanear um código de barras nas peças expostas e conferir outras opções de tamanho e cor no site.

Criada no Recife, a loja virtual de móveis e decoração Muma inaugurou sua primeira guide shop, na capital pernambucana, em maio de 2017. No mesmo ano, levou o conceito para São Paulo. Um dos sócios da empresa  conta que foram surpreendidos com o sucesso da abertura de duas unidades, que duplicaram o número de pedidos no site da empresa. O mesmo sócio credita o sucesso às lojas físicas que na avaliação dele deixaram os consumidores mais confiantes para comprar.

As guide shop da Muna são mais do que locais de compra. Na unidade do Recife, a marca mantém um café. Já na de São Paulo, são realizados eventos e workshops, que abordam desde cuidados com plantas a fabricação de cerveja artesanal.

A natureza física do processo de compra de muitos produtos requer uma experiência mais refinada, desde sentar em um sofá até sentir o tecido de uma peça, pode soar como desvantagem para um e-commerce. Quando a guide shop entra no cenário, a percepção muda.

O conceito de guide shop oferece para o empresário a vantagem de necessitar de apenas um ponto de estoque, permite uso mais racional de espaço das lojas físicas e redução substancial nos gastos com logística. Essas vantagens, no entanto, dependerão do quão ajustado estará todo o processo, desde o início do processo na guide shop até o processo de finalização da compra na casa do cliente.

Adm. Márcio Monteiro

Deixe seu comentário!

Para: Cresce a tendência das “guide shops”


Siga-nos!