A MEDICINA, ANTONIO CONSELHEIRO E CANUDOS.

Postado em - 9 de janeiro de 2019 - 17:03 - Sem Comentários

A medicina, Antonio Conselheiro e Canudos. (por Antônio Samarone). A foto é de Nina Rodrigues.

O massacre de Canudos é indefensável. Doze mil soldados, com fogo cerrado e bala de canhão, arrasaram um Arraial de gente pobre no Sertão da Bahia, no triste 05 de outubro de 1897. Os que sobraram (mais de trezentos), velhos, mulheres, doentes, crianças, foram recolhidos e fuzilados a sangue frio, no dia seguinte.

Desenterraram Antonio Conselheiro (15 dias de morto), cortaram a cabeça, e levaram para estudos em Salvador. O corpo foi exumado pelo Dr. Miranda Cúrio, Major, chefe da expedição médica em Canudos. O crânio foi entregue aos cuidados científicos do Dr. Raimundo Nina Rodrigues, no Laboratório de Medicina Legal da Bahia. Valendo-se da metodologia de Cesare Lombroso, criminologista italiano (1835-1909); o exame antropométrico da cabeça do Conselheiro não apresentou anomalias criminais.

Um resumo do laudo de Nina Rodrigues: “O crânio de Antônio Conselheiro não apresenta nenhuma anomalia que denunciasse traço de degenerescência, é um crânio de mestiço, onde se associam caracteres antropológicos de raças diferentes… É um crânio dolicocéfalo e mesorrino, quase sem dentes, e com notável atrofia das arcadas alveolares. Tem uma capacidade de 1.670 cc, tendo o encéfalo o peso de 1.452 gramas.

Como justificar essa ignomínia? A medicina se apressou numa explicação. Um dos seus maiores intelectuais, o Dr. Nina Rodrigues, fez publicar na imprensa especializada um texto assustador (A Loucura Epidêmica de Canudos – 1897). Parte dos argumentos do médico cientista perdura até hoje.

O Dr. Nina Rodrigues, foi taxativo: “Antonio Conselheiro é um simples louco”! A partir do enquadramento, o ilustre médico passou a analisar a vida do beato, desde a juventude em Quixeramobim. Vamos acompanhar o raciocínio do médico:

“No caso de Antonio Maciel (Conselheiro), o diagnóstico de delírio crônico, de psicose sistemática progressiva, de paranoia primária, etc., não requer para se firmar mais do que a longa sistematização de quase trinta anos, e a transformação contemporânea do simples enviado divino no próprio filho de Deus.”

Continua o Dr. Nina Rodrigues:

“Pregando contra o luxo, contra os Maçons, fazendo queimar nas estradas todos os objetos que não pudessem convir a uma vida rigorosamente asceta, Antonio Conselheiro anormaliza extraordinariamente a vida pacífica das populações agrícolas e criadora da Província, distraindo-as das suas ocupações habituais para uma vida errante e de comunismo em que os mais abastados cediam os seus recursos em favor dos menos protegidos da fortuna.”

O diagnóstico médico sobre a loucura de Conselheiro, somente, não justificaria a destruição selvagem do Arraial do Belo Monte, com mais de 25 mil habitante. Nina Rodrigues sabia disso! Era preciso explicar porque esses sertanejos seguiram esse “louco”. A medicina não se intimidou, deu uma explicação.

Nina Rodrigues defendeu que houve uma epidemia de loucura, uma loucura coletiva. A transmissão do delírio foi facilitada por razões genéticas; predisposição agravada pelo esgotamento orgânico, a miséria, as doenças, as intoxicações e os vícios debilitantes.

Na visão de Nina Rodrigues, esses jagunços fanatizados, o mestiço do Sertão, com ascendentes selvagens, índios e negros, levando uma vida livre e com uma civilização rudimentar era avesso a catequese. Nina Rodrigues justificava essa dificuldade de converte-los pela persuasão religiosa; sendo tarefa mais fácil e expedita destruir os recalcitrantes a bala.

Em resumo: Canudos tratava-se de uma concentração de jagunços fanáticos, conduzido por um louco; que num momento de surto coletivo, de uma epidemia de loucura, ameaçou a nascente República. A destruição foi a única saída, na visão da medicina.

Essa tese, hoje absurda, cientificamente respaldada pela medicina, foi o eixo condutor de muitos escritos históricos. A partir de José Calazans, Ataliba Nogueira e tantos outros, novas interpretações estão sendo produzidas, surgindo uma outra história de Canudos.

Nina Rodrigues (foto) é maranhense, faleceu em Paris, em 17 de julho de 1906, aos 43 anos.
https://blogdesamarone.blogspot.com/
Antônio Samarone.

Deixe seu comentário!

Para: A MEDICINA, ANTONIO CONSELHEIRO E CANUDOS.


Siga-nos!